Projetos de Iniciação Científica incentivam a criatividade e a inovação

O Projeto de Iniciação Científica (IC) é a nossa proposta de colocar os estudantes em contato com a maneira científica de produzir conhecimento. O projeto é realizado pelos estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio.

“Observação, investigação, registro, levantamento e comprovação de hipóteses são fundamentais no processo de construção do conhecimento. Essa metodologia científica apoia-se nos pilares do Elvira Brandão (Metodologias Ativas, Metodologias de Projetos e Cultura Maker) e está imersa nas atmosferas bilíngue, artística e digital do colégio”, afirmou Dayane Faria Silva, a coordenadora do Projeto de Iniciação Científica, que é  graduada em Física pela USP (Universidade de São Paulo), mestre em Física Nuclear (IPEN-USP) e doutoranda no mesmo tema. Há dois anos ela faz parte da nossa equipe.

Segundo Dayane, o objetivo da instituição é orientar e incentivar os estudantes para que sejam criativos, inovadores e autônomos. Para ela, esses são os principais ingredientes da ciência. O Projeto de Iniciação Científica também é uma oportunidade para os estudantes que desejam começar a construir uma carreira de pesquisa, antes de ingressarem na universidade.

A matéria é composta por duas aulas semanais, às segundas-feiras, sempre em grupo, uma vez que a proposta é que os projetos sejam colaborativos e interseriados, ou seja, que a pesquisa seja realizada em grupos de 2 a 4 estudantes e seus integrantes não sejam necessariamente do mesmo ano.

Cada grupo desenvolve a pesquisa a partir de um tema gerador, escolhido dentre os sugeridos pelos professores orientadores ou proposto pelo próprio grupo, a partir do interesse e da curiosidade deles.

Os grupos são acompanhados por um professor orientador especialista. O projeto conta com cinco professores orientadores, cada um responsável por uma grande área do conhecimento: Linguagens e Códigos, Ciências Humanas, Ciências da Natureza, Matemática e Tecnologias e Artes.

O estudante Pedro Eddy, de 16 anos, do 2º ano do Ensino Médio, escolheu o projeto na área de Matemática, matéria com a qual tem afinidade, por ter a oportunidade de entender mais sobre Bitcoin, tema escolhido por seu grupo no projeto chamado “Especulação de Títulos Digitais” (leia abaixo).

“O projeto permite que a gente aprenda a fazer textos científicos, artigos e relatórios, que serão importantes quando eu estiver na faculdade, seja no momento de realizar o TCC, um mestrado ou doutorado. E estou curioso para descobrir se o Bitcoin vale a pena ao final do projeto”, falou o estudante. Pedro pretende investir em ações e na moeda.

No projeto da Gabriela Santos Barbosa, do 1º ano do Ensino Médio, será construída uma história em quadrinhos destacando o papel da mulher e a igualdade de gêneros (leia abaixo). “É importante conscientizar as pessoas sobre a dificuldade de ser mulher nos dias de hoje e a necessidade de lutar por um mundo em que a mulher tenha autoridade para fazer aquilo que ela quiser”, contou Gabriela.

A formação do grupo e o tema escolhido possuem validade anual. Assim, os estudantes de um grupo vão trabalhar juntos em um único projeto durante todo o ano de 2018. Entretanto, as avaliações possuem caráter individual e bimestral, ressaltou a coordenadora.

Alunos do 9º ano (Fundamental II) e do 3° ano (Ensino Médio) elaboram CANVAS dos Projetos de Iniciação Científica

Conheça dois projetos da Iniciação Científica:

Especulação de Títulos Digitais
Apresenta recomendações e consultoria sobre o negócio de criptomoedas, enfatizando o “trading” do Bitcoin. O principal objetivo da equipe é descobrir se esses novos títulos virtuais apresentam solidez suficiente para estarem na carteira de investimentos de alguma instituição.

O método utilizado foi a entrada no mercado de criptomoedas e a descoberta de seu funcionamento como um todo, desde as transações globais até as condições e justificativas usadas por empresas que possuem essas moedas. A partir disso, foi possível estipular alguns dados, como volume financeiro, volatilidade, riscos etc.

A segunda parte deste projeto compara as características do mercado de criptotítulos com a “Crise da Internet”, ocorrida na década de 90.

Após o acúmulo de informações, coube à equipe emitir uma nota para recomendar a compra do Bitcoin, garantindo a rentabilidade considerados os seus riscos, ou fazer um alerta sobre o possível risco de este negócio ser uma bolha especulativa.

Participantes: José Rafael Martins Fernandes, Leo Guerra Rybka, Pedro Eddy Felix de Oliveira Braga, Rafael Sérgio Ruszki e Vitor Scozziero Otsuka

Marias – História em Quadrinhos
O trabalho consiste em criar uma história em quadrinhos destacando o papel da mulher e a igualdade de gêneros, com o objetivo de questionar os estereótipos impostos para a mulher contemporânea .

A HQ narra cinco histórias fictícias, de cinco “Marias”, com o intuito de mostrar como vários tipos de mulheres são vistas pela sociedade e como são tratadas em situações cotidianas.

O grupo fará entrevistas virtualmente, pesquisas por artigos sobre o assunto e leitura de livros feministas para ajudar a criar as histórias; além de uma investigação do papel ocupado pela mulher, sob a luz de teóricos e com levantamento de dados e relatos.

Participantes: Clara Izar Menni Ferreri, Gabriela Santos Barbosa e Renata Baladi Ribeiro

 

 

Ensino Médio, Fundamental II , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X